AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA

COMENTÁRIOS E CONEXÕES COM O DIREITO INTERNACIONAL

  • Marcelo Mauricio da Silva
Palavras-chave: Direito internacional público, Sociedade internacional, Princípio da soberania, América latina

Resumo

O livro de Eduardo Galeano “As veias abertas da América Latina” transformou-se em um ícone da literatura mundial, que discorre densamente sobre a condição da economia política da região e olha para o passado em busca de explicações para o subdesenvolvimento latino- americano. Neste artigo buscou-se aliar essa literatura com o Direito Internacional, mais precisamente objetivou-se averiguar qual tipo de conexão existente entre o livro e os institutos jurídicos relativos a noção de sociedade internacional, de soberania, de igualdade entre os Estados e da não-intervenção nos assuntos nacionais. Para tanto, realizou-se uma pesquisa qualitativa na qual a indução serviu de método para comparar a obra de Galeano com os princípios gerais orientadores do Direito Internacional, bem como com a doutrina jurídica especializada no assunto e com as normas internacionalistas cabíveis. Assim, os aportes literários estudados conectaram-se naturalmente com a sociedade internacional e com a sua ordem jurídica. Os institutos jurídicos apontados foram analisados a partir da perspectiva engendrada nas “veias abertas” e, em resultado, restou patente a existência de uma crítica ao universo das relações internacionais e ao Direito. Estudando-se o caso da América Latina concluiu-se que a paz mundial, a cooperação e a igualdade entre os países, a soberania nacional, o respeito aos direitos humanos, entre outros, são diretrizes ainda não concretizadas na atual sociedade internacional, logo “As veias abertas da América Latina” é uma obra que denuncia tal ocorrência e atesta o impacto negativo dessa conjuntura na realidade latino- americana.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
DA SILVA, M. AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA. Revista de Estudos Jurídicos do UNI-RN, n. 4, p. 87-114, 15 dez. 2020.
Edição
Seção
Artigos